Cadastre-se

Êxodo, agronegócio e transformações no campo são mote de documentário

Os irmãos Samuel, Vinícius e Rafael tiveram de se mudar da pequena e campesina cidade de Paulistas para a região urbana de Catalão, no sul de Goiás. Todas as férias, eles voltam para visitar os pais e reviver uma cultura e os costumes que estão aos poucos morrendo. É o que acompanha o filme Paulistas, de Daniel Nolasco, que estreou esta semana no projeto Sessão Vitrine Petrobras em mais de 20 cidades brasileiras.

Primeiro longa-metragem de Nolasco, o filme resgata também a própria história do diretor, que nasceu em Paulistas e passou pelo mesmo processo de migração que vivem os três irmãos e todos os jovens da cidade. “Paulistas é a busca por deixar registrada uma forma de cultura que também me pertence e que está prestes a desaparecer diante de tantas transformações. O filme acompanha a dupla contradição entre o retorno e a partida, entre a tradição e modernidade, por meio dos três personagens. Jovens que se mudaram para a região urbana de Catalão e retornam à casa da família durante as férias. As férias de julho são o momento em que futuro e passado encontram-se completamente presentes em Paulistas“, afirma o diretor.

Até a década de 1970, a região era formada por pequenas fazendas que praticavam a agricultura de subsistência até que, no final dos anos 1980, a monocultura da soja passou a dar cada vez mais espaço ao agronegócio e aos latifúndios. E assim a população foi aos poucos migrando para a região urbana de Catalão. Segundo a equipe do longa, desde 2014, não existem mais jovens morando em Paulistas.

O filme registra o contraste entre os antigos costumes locais em vias de desaparecer e a modernidade homogeneizadora que vai tomando cada vez mais espaço. Imagens das casas abandonadas e invadidas pelo mato e pela soja, a floresta morta ao redor do rio, a hidrelétrica que transformou de forma irreversível a geografia da região são intercalados com cenas cotidianas dos irmãos e da população local.

Sem entrevistas nem vozes em off, o filme acompanha silenciosamente Samuel, Vinícius e Rafael e não parece ter intenção de se intrometer no desenrolar das férias dos três. A não ser pela sequência em que Wander, o pai dos jovens, se senta em frente à câmera para tocar violão, as cenas são, em sua maioria, ações corriqueiras que não parecem dirigidas nem posadas. É como se o diretor quisesse contar a história de todas as transformações que a região vem passando apenas pela forma de agir dos campesinos e pelos sons, ricamente registrados.

 

“O documentário pretende mostrar através de imagens e sons toda esta contradição. É buscando isso que a câmera sempre manterá uma distância dos personagens, assumindo a posição de observador. Um observador que mantém determinada distância para não ser invasivo, mas que ao mesmo tempo é afetuoso e respeitoso. Que buscará não só registrar a visualidade da região, mas a sonoridade e seu tempo. Esse tempo do campo que é diferente de uma cidade, mesmo das pequenas. Um tempo quase sempre governado pela luz do dia, no qual as pessoas acordam com o nascer do sol e vão se recolher no cair da noite“, conta Daniel Nolasco.

“Morei até os dois anos na região – minha mãe foi uma das primeiras a deixar Paulistas e se mudar para a cidade de Catalão, no interior de Goiás. Vi ao longo dos anos e do passar do tempo atransformação pela qual passou a região e as pessoas que se mudaram para áreas urbanas. Comecei a observar o fim daquela cultura e daquele modo de vida“, afirma.

Paulistas tem uma escolha narrativa corajosa, que não opta pelo didatismo e que tenta deixar as imagens falarem por si só. Uma das cenas mais potentes do documentário talvez seja a de Wander ao telefone com o que parece ser um revendedor agrícola. Ele pede ao interlocutor uma ajuda para conseguir vender sua soja a um preço melhor. Sinal dos novos tempos, em que os pequenos produtores imploram para desovar sua produção por preços miseráveis.

Todas as sessões de Paulistas serão abertas com a exibição do curta-metragem de animação Quando os Dias Eram Eternos, dirigido por Marcus Vinicius Vasconcelos, sobre a história de um filho que volta para a casa de infância para cuidar da mãe em seus últimos dias de vida.

Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/137/exodo-agronegocio-e-transformacoes-no-campo-sao-mote-de-documentario

'Paulistas' registra uma forma de cultura que está prestes a desaparecer diante de tantas transformações

Receita Federal libera programa para declaração do IR de 2018

SÃO PAULO

A Receita Federal vai disponibilizar a partir desta segunda (26), em sua página na internet, o Programa Gerador da Declaração (PGD) para o contribuinte preencher o Imposto de Renda 2018 (ano-base 2017). 

O órgão estima que 28,8 milhões de declarações serão entregues —foram 28,5 milhões em 2017. O prazo para entrega vai de 1º de março às 23h59 de 30 de abril. O primeiro lote de restituição  está previsto para 15 de junho.

Neste ano, a Receita trouxe algumas mudanças na declaração. A primeira delas é que, a partir deste ano, o contribuinte deverá incluir o CPF dos dependentes com 8 anos ou mais. No ano passado, a exigência valia para dependentes com 12 anos ou mais. 

A Receita vem reforçando essa exigência ano após ano. Até 2014, o CPF era obrigatório para maiores de 18 anos. Em 2015, caiu para 16 anos. Em 2016, foi para 14 anos e, no ano passado, para 12.

Em 2019, a tendência é que todos os dependentes, independentemente da idade, sejam identificados por CPF.

“A Receita quer fiscalizar e evitar deduções em duplicidade”, diz Valdir de Oliveira Amorim, coordenador técnico de editorial da Sage IOB.

Ainda no que diz respeito a dependentes, o contribuinte poderá considerar seus dependentes filhos que ficarem sob sua guarda, em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente. 

Se a guarda for compartilhada, o filho poderá ser considerado dependente de apenas um dos pais. 

Outra novidade é a possibilidade de preenchimento de mais campos sobre os bens do contribuinte, como endereço dos imóveis declarados, matrícula e IPTU, entre outros. Para veículos, será solicitado o número do Renavam. 

“A Receita consegue cruzar dados e pegar divergências quando alguém erra informação, mas nem todo mundo declara, por isso o fisco está pedindo dados mais detalhados”, afirma Amorim.

Embora o preenchimento desses novos campos seja obrigatório somente a partir de 2019, Amorim orienta que os contribuintes comecem a preenchê-los neste ano. 

“Deixou a declaração mais complexa e vai dar mais trabalho, mas, como vai ser obrigatório, é melhor começar certinho desde já para não ter dor de cabeça.”

Dinheiro enviado para o exterior para fins educacionais, científicos ou culturais ou para cobrir despesas médico-hospitalares com tratamento de saúde está isento de imposto, de acordo com instrução publicada pela Receita  Federal em outubro do ano passado.

GASTOS MÉDICOS

O contribuinte que apresentar recibo médico sem endereço pode ter o documento rejeitado pelo Fisco. Mas a Receita indica que só a ausência dessa informação não impede que outras provas sejam utilizadas, entre elas a consulta aos sistemas informatizados do Fisco.

Ainda sobre despesas médicas, a paciente que fez procedimento de fertilização in vitro e guardou os comprovantes poderá deduzir os pagamentos a médicos e hospitais na declaração, assim como gastos com exames laboratoriais.

Não será possível deduzir as despesas médicas de anos-calendários anteriores. Ou seja, o contribuinte só poderá deduzir gastos médicos realizados em 2017 na declaração de 2018.

Outra mudança é que ganhos obtidos por desapropriação de imóveis decretados pelo poder público ou por interesse social estarão isentos de imposto.

 
Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/02/receita-federal-libera-programa-para-declaracao-do-ir-de-2018.shtml?utm_source=folha&utm_medium=site&utm_campaign=topicos?cmpid=topicos

Relatório aprovado na Comissão de Viação e Transportes pede federalização de rodovias no nordeste do Brasil

Relatório aprovado na Comissão de Viação e Transportes pede federalização de rodovias no nordeste do Brasil
 
 
A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou, nesta tarde, relatório do deputado Laudívio Carvalho (SD/MG) referente ao Projeto de Lei 7275/17, de autoria do deputado Hildo Rocha (PMDB/MA), que propõe a federalização das rodovias MA-138 (179 km de extensão que passa pela cidade de São Pedro dos Crentes, terminando em Fortaleza dos Nogueiras) e da MA-006 (que cruza Fortaleza dos Nogueiras e chega até a BR-230, com mais 55 quilômetros de extensão) no estado do Maranhão.
De acordo com o texto original da proposta do parlamentar maranhense, o traçado das duas estradas somando-se a outras três BRs que cortam a região - BR-010, BR-230 e BR – 226 - irão formar um desenho quase retangular envolvendo o trecho cujo ponto central seria a cidade de Feira Nova do Maranhão, possibilitando assim o desenvolvimento logístico do trecho.
 
Para Laudívio Carvalho que emitiu voto favorável à aprovação do PL 7275/17, além de promover a integração entre vários modos de transporte na região, a transferência das estradas para a União também irá facilitar a disponibilização de recursos para manutenção das vias. “Assim que os trechos se tornarem de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), a execução de obras de manutenção, recuperação e construção de novos trechos será, certamente, mais fácil. Com isso, o benefício à população dos municípios será muito maior, facilitando as viagens para escoamento da produção agrícola e reduzindo o número de acidentes nas rodovias” conclui o relator.
 

Projeto de Lei proíbe acesso de crianças e adolescentes a manifestações artísticas de conteúdo erótico

Diante da polêmica envolvendo a participação de menores em mostras culturais de conteúdo pornográfico no Brasil nos últimos meses, o deputado federal Laudívio Carvalho (SD/MG) protocolou na Câmara dos Deputados, projeto de lei que proíbe o acesso de crianças e adolescentes a manifestações artísticas que incitem à sexualidade e ao erotismo.
Para tal, o texto do PL 9019/17 propõe alteração no Estatuto da Criança e do Adolescente acrescentando um artigo na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que passará a vigorar com a proibição.
 
De acordo com o parlamentar, exposições envolvendo conteúdos eróticos e crianças não geraram polêmica apenas no Brasil. “Não podemos tolerar que crianças e jovens sejam inseridos em manifestações com conteúdos que incentivem pedofilia ou a exploração de menores. Ao redor do mundo, mostras deste tipo também chegam a ser fechadas em meio a críticas. Nossas crianças não precisam ter acesso a conteúdos que despertem a sexualidade fora de hora. Criança precisa ser criança” destaca o autor da proposta
.
Ainda segundo Laudívio Carvalho, o acesso de crianças a performances e exposições com conteúdo erótico fere o Estatuto da Criança e do Adolescente. “O ECA contém diversas normas de proteção à infância e à juventude, no que diz respeito à participação em eventos culturais. Cuidar do bem-estar das crianças e dos adolescentes é um dever do Estado e de toda a sociedade, diante do que não se pode permitir que esse tipo de espetáculo, sob a égide de obra de arte, ponha em risco a segurança física, mental e emocional da nossa juventude”, conclui.
 

Projeto de lei que garante bem-estar dos animais utilizados no serviço público é aprovado na Comissão de Meio Ambiente da Câmara

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara Federal acaba de aprovar o projeto de lei 3853/15, de autoria do deputado Laudívio Carvalho (SD/MG) que propõe novas regras para uso de animais pelo serviço público.

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara Federal acaba de aprovar o projeto de lei 3853/15, de autoria do deputado Laudívio Carvalho (SD/MG) que propõe novas regras para uso de animais pelo serviço público.

O PL 3853/15, acompanha os novos mecanismos de proteção, adoção, bem-estar e guarda responsável de animais, buscando resguardar que cães e equinos, utilizados pelas forças de segurança e por agentes de fiscalização, tenham períodos de descanso e pausas para a alimentação, previsão de procedimentos veterinários, serviços de higiene nos canis e nas baias, além de estabelecer que as fêmeas sejam afastadas dos serviços durante o período de gestação.

Para o parlamentar, que milita na causa animal há mais de 20 anos, e que ocupou a cadeira de vice-presidente da CPI que investigou maus tratos aos animais em vários estados do Brasil, esta proposta regulamenta novas medidas de proteção aos animais. “Propomos regulamentação do regime de descanso, alimentação, manejo e ainda um destino final digno para aqueles animais considerados inativos para o trabalho. Para este fim, a adoção responsável é a melhor medida, afinal, os animais devem ser tratados como seres vivos, que sofrem com as mudanças da rotina e merecem ser acolhidos, pelo agente público que trabalha durante anos com estes cães e cavalos, ou até mesmo por outras famílias” explica o parlamentar.

O relator da proposta, o deputado Ricardo Izar (PP/SP) apresentou um substitutivo que acrescenta à proposta original, nos artigos 4º ao art. 6º a previsão de que o custeio das necessidades do animal fique a cargo do órgão público doador do animal enquanto estiver sob a responsabilidade da entidade intermediadora da doação. O projeto segue agora para análise da Comissão de Constituição e Justiça, se aprovada segue direto para o Senado Federal.

Polêmica em Minas – O deputado federal Laudívio Carvalho elaborou esta proposta depois da polêmica da publicação de um edital para leilão e alienação onerosa de cães, considerados inservíveis pela PMMG, e se levou em conta apenas a maior oferta financeira.

Eram sete labradores e três pastores, policiais, saudáveis e bem cuidados que faziam parte do agrupamento de 93 animais do canil da corporação na capital mineira. O leilão causou um impasse envolvendo ativistas, parlamentares e o Ministério Público no Estado. Os cães são considerados inativos a atividade policial, e tidos como patrimônio público, deveriam ser leiloados. Depois de muita mobilização do deputado federal Laudívio Carvalho, o leilão foi cancelado.